Dolce far niente em Fortaleza

Dolce far niente em Fortaleza

Fortaleza para mim sempre significou trabalho, por incrível que isso possa parecer. Como assessora de uma parlamentar do Ceará, as ocasiões em que viajei para a capital do Estado foram sempre para algum evento relacionado às atividades da senadora (Patrícia Saboya, do PDT) e da última vez para a despedida do senador suplente que a havia substituído por quatro meses durante sua licença-médica. Coincidentemente, em 1993, quando nem sonhava que teria um dia ligação tão estreita com o Ceará, conheci Fortaleza, também a trabalho, cobrindo um encontro de juízes como repórter do Correio Braziliense. Ficamos hospedados na Beira-Mar e praticamente visitamos apenas aquela área e, no fim de semana, o recém inaugurado Beach Park, na época ainda bastante acanhado.      

Há dez dias foi diferente. Eu e meu marido escolhemos Fortaleza por uma razão ligada ainda de alguma forma ao trabalho: queríamos prestigiar o casamento da filha da senadora, Lívia, fruto de seu casamento com Ciro Gomes. Aproveitamos, portanto, para começar pelo Ceará as férias com nosso filho João. Além disso, o casamento prometia ser o evento do ano no Estado em que Ciro já foi o governador e do qual o atual governante é seu irmão, Cid, um dos padrinhos de Lívia. E com certeza o foi: mais de mil convidados da sociedade cearense se espalharam pelos jardins do Iate Clube, cuja localização já seria suficiente para tornar o casamento especial: barquinhos de pescadores e Iates de luxo formaram uma inigualável moldura para o altar localizado bem em frente ao mar. As mesas para o bolo e os doces tomavam o maior dentre os vários toldos armados no gramado. Uma decoração sofisticada e leve ao mesmo tempo. Tudo combinando perfeitamente com um típico casamento ao ar livre, para o qual São Pedro só fez colaborar.

O vestido perfeito de Lívia, bem, não é preciso descrevê-lo, está nas capas das revistas de celebridades desta semana. A saia formada por diversas camadas de tule era tudo o que eu tinha planejado para o meu próprio casamento, há quatro anos, mas que o meu estilista me convenceu a mudar. Teria me engordado mesmo. A senadora, com vestido azul contrastando com a pele morena, estava deslumbrante. A madrasta da noiva, Patrícia Pillar, exibia discretamente uma silhueta magra (bem mais do que na televisão que engorda quatro quilos) em um belo vestido laranja/salmão. Lilibeth Monteiro de Carvalho, ex-mulher de Fernando Collor de Melo e grande amiga da senadora, era uma das mais bem vestidas, com um longo beje de babados. Enfim, foi uma festa linda, os irmãos, o noivo e o pai da noiva cantaram, com direito a uma canja profissional de um dos padrinhos ilustres, ninguém menos que Fagner.

Relaxamento em família

Com todo o burburinho do casamento- eu e minha amiga Patrícia Andrade demoramos dias resolvendo se poderíamos ou não vestir os nossos desejados vestidos curtos em um casamento tão chique- e alguns imbroglios políticos que a cerimônia terminou envolvendo, pensei que fosse demorar dias para relaxar e entrar no clima das férias. Vinha de uma fase em que andava agitadíssima com dificuldades para dormir. Mas ficamos hospedados em uma praia afastada do centro, Porto das Dunas, em um condomínio da rede Alphaville que me remeteu a uma mistura de típicos subúrbios americanos de classe média com cidades futuristas de filmes como o fabuloso “Mon Oncle (Meu tio), de Jacques Tati, dos anos 60. Casas de dois andares bem afastadas umas das outras, com estilo clean/moderno e cores neutras. Cones e seguranças nos largos caminhos garantiam que os carros não ultrapassassem 30 KMs por hora, priorizando a liberdade das crianças. Para se chegar à praia em si, atravessa-se uma ponte sobre um belo Rio. Calma poderia ser o nome deste lugar.

 

Minha prima Suzana (comigo na foto seguinte) e seu marido Ricardo também poderiam compartilhar deste adjetivo. Combinam absolutamente com o condomínio: Suzana, ortodontista, cria os dois filhos super amorosos como se o mundo lá fora não a abalasse, naquela casa ampla de tijolinhos aparentes construída por eles. Até a natação dos meninos é no clube do próprio empreendimento. Ricardo parece não trazer nada de sua rotina corrida de médico para a convivência familiar. Pelo menos foi assim naquela semana maravilhosa. Nós três logo fomos contagiados por aquela atmosfera de tranquilidade a ponto de minha curiosidade pelas fotos do casamento que sairiam nas colunas sociais de domingo ter sido completamente anulada. Logo estava dormindo a noite inteira sem calmantes. As manchetes de “O Povo” e “O Diário do Nordeste” passaram longe daquele paraíso.    

Porto das Dunas é uma das praias mais belas de Fortaleza com sua ampla faixa de areia, seu mar não tão agitado que, na maré baixa, forma deliciosas piscinas naturais que eu adoro aproveitar brincando de Aquamen com Pedro, o filho mais velho de Suzana, de 7 anos. João, de 2, gostou tanto de se refestelar na areia que não fez nenhuma questão de encarar a fria água do mar. Naquela praia com mesas e cadeiras protegidas pela sombra de um grande coqueiral comemos uma gostosa moqueca de frutos do mar acompanhada de caipirinha enquanto João e Gabriela- a mais nova do casal, de 3 anos e meio- brincavam calmamente a nosso lado.

 

João criou coragem para entrar na água no dia seguinte, dedicado aos recantos infantis do Beach Park, logo ali de costas para a mesma praia. Suzana e Ricardo são sócios do parque, atualmente, o mais importante do País. Pedro e Gabriela cresceram, portanto, naquelas piscinas. Se soubesse, João teria inveja porque adorou andar na água na altura de suas perninhas, descendo no escorrega do enorme dragão colorido de uma das piscinas temáticas. A alegria deste menino criado em apartamento foi crescendo a cada dia que ele passava ao ar livre na praia ou na piscina. Eu que sou totalmente apaixonada por parques aquáticos cumpri a promessa de não voltar a me aventurar no “Insano”, um escorrega que, como o nome já prenuncia, se assemelha àqueles brinquedos mais altos do Wet and Wild. Afinal, já havia feito essa insanidade umas dez vezes na vida, o que considero suficiente. Mas tirei minha casquinha do dia dedicado às crianças carregando Pedro e Suzana para descer em um enorme toboágua. Dose suficiente de adrenalina.

 

Aqueles cinco dias em Fortaleza com minha prima a quem, já criança, eu era muito ligada, me fizeram ver o que muita gente já viu e de que eu me havia esquecido há tempos: férias em família podem ser maravilhosas. Principalmente para as crianças, que brincam enquanto conhecem seus primos, mas também para nós adultos. Ajudam a fortalecer os laços e, se os membros da família forem tranqüilos como estes primos, ajudam também a nos acalmar, a nos afastar das preocupações tantas vezes tolas do dia a dia.

Compartilhe:
  • Print
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • LinkedIn
  • Live
  • MySpace
  • RSS
  • Twitter

18 Comentários

  1. Mariana, como sempre os seus textos sao maravilhosos. Quanto a este, tenho interesse pessoal ja que parte dele se trata da minha querida amiga Suzana! Tambem ja tive a oportunidade de compartilhar da tranquilidade desta maravilhosa familia… antes da casa nova e da presenca da pequena Gabi… Mas ainda voltarei. Tambem fiquei impressionada com a tranquilidade do Ricardo!
    Ouvindo voce falar do aqua parque… tive que me lembrar que ja participei desta loucura… kkk Hoje estou voltando de Portugal/ Algarve onde passei as ferias com a minha familia. Para o bem das criancas fomos ao Agualand… Tive que me mostrar muito corajosa! Como as coisas mudam depois que viramos mae! Mas acho que fiz o papel bem, as criancas nao perceberam que tinha muito medo de cada escorregador maluco!!
    Parabens pelo o que escreve e como escreve! Quem sabe ainda nao vem a Bremen? Beijos Samirah.

  2. Primoca, adorei o seu texto. Fiquei muito feliz de vcs terem realmente gostado da estadia aqui em casa. Esperamos que repitam a dose mais vezes. E tragam sempre o Joaozinho para aproveitar cada vez mais da praia e dos primos.
    Um beijo grande pra vc, Mauro e Joaozinho fofo!!!

    • Suza, repetiremos a dose quando pudermos, com certeza! Tia Zildinha, se já tivesse o meu blog naquela época, teria escrito um texto sobre as estadias também em sua casa, com aquela vista lindíssima 360 graus de Fortaleza (e que mar!), o café da manhã maravilhoso da Net e um quarto tão bem arrumadinho só para mim! Um beijo e obrigada pela leitura! Marcito, realmente é maravilhoso ver nossos filhos crescendo!

      • Ricardo Salvino Braga |

        Mariana, parabéns pelo texto! Como
        voçê escreve fácil e bonito. Estou
        todo orgulhoso de ter lido seus
        elogios sobre Fortaleza.
        Muito bom terem gostado. Voltem
        sempre que quiserem!
        Abraços p/ Mauro e João.

        • Ricardo, obrigada tanto pela leitura, quanto pelo convite. Quem sabe em breve não repetimos a ótima experiência e ainda saímos para conhecer outros restaurantes? Samirah, você precisa conhecer a nova casa de sua amiga, é adorável! Gosto muito da Alemanha, quem sabe Bremen não estará em nosso roteiro quando o João crescer um pouco mais? Beijos, Mariana.

  3. Oi Mariana fiquei feliz de saber que a sua estada em Fortaleza foi maravilhosa,e sempre passar ferias em familia,beijos Zildinha

  4. Hummmm.
    Mari deu vontade de levar o meu Joao pra sacar uns dias de férias assim como a que vc descreve neste post.
    Seguramente a traquilidade só seria abalada pelas travessuras deste menino de nove anos que a cada dia vejo modificar-se. É muito bom isso tudo. Como diria ele (João Pedro), VALEU …..
    Bjs

Deixe um comentário