Constatações de um menino de dois anos

Constatações de um menino de dois anos

Depois que começou a formar frases, por volta de um ano e meio,  meu filho João- atualmente com dois anos e cinco meses- tem sido responsável por algumas pérolas daquelas que costumam encantar pais, avós e tios babões e deixá-los convencidos- provavelmente só a eles-  de que seu menino “é um verdadeiro gênio”. Pois bem, divido com você, leitor, algumas destas sentenças neste texto que será mutante: irá aumentando à medida que as constatações, ou “tirinhas de filosofia infantil de nosso João”, forem acontecendo.

“Dois João”. Com um ano e 10 meses, vendo a própria e longa sombra refletida sobre o gramado do campo de futebol do Country Club de Brasília, no fim da tarde, com o sol já baixo. A frase foi repetida algumas outras vezes quando João se olhou no espelho do quarto dos pais.

“O lego”. Aos dois anos e dois meses, apontando ao avistar o Plano Piloto de Brasília da janela do avião. 

“We all live in a yellow submarine…”, cantando o clássico dos Beatles, com pouco mais de dois anos.

“O outlo Dr. Nélson vai pegar o palitinho”. Com dois anos e quatro meses, referindo-se ao Dr. Giácomo, médico que o atendia no lugar de seu pediatra habitual, Dr. Nélson de Oliveira, que viajara para o Rio de Janeiro para acompanhar o nascimento de seu próprio neto. João adora os palitinhos próprios para se examinar a garganta, que ele prefere usar como paletas da hélice de seus helicópteros imaginários.

“A vovó vai e vem”. Aos dois anos e três meses, referindo-se às intermináveis viagens da avó materna Rosa que, entre um e outro destino, dá uma parada em Brasília e visita o neto.

“Atenção, João, que o dragão vai cair”. Com a mesma idade, em pé no sofá, antes de jogar seu inseparável amigo dragão (de pelúcia, símbolo da Livraria Cultura) para um vôo até o chão. Havia aprendido poucos dias antes a empregar direitinho a partícula “que”.

“Atenção, dragão, que o João vai cair”. Em seguida, avisando ao amigo, logo antes de se jogar de costas no sofá.

“Canta a do helicóptelo”. Com dois anos e quatro meses, hoje, usando pela primeira vez o imperativo, para o pai que começava a cantar a música do Carangueijo, pedindo que o embalasse para dormir ao som de outro de seus temas preferidos, o do helicóptero de brinquedo de parques de diversões.

“É Bethoven”. Ouvindo a Nona Sinfonia do compositor alemão, que ele aprendeu a identificar escutando o CD e assistindo ao DVD dedicado a Bethoven da série Baby Einstein.

“Ele tá escondido”. Olhando para a barriga de uma grávida em início de gestação, após os pais lhe explicarem que há um bebê ali dentro.

“A hélice do balão. Não, não existe hélice no balão. A hélice do helicóptelo”. Olhando para a casinha de brinquedo que ele “transformou” em um balão.

“O João falou que existe a hélice do helicóptelo”, quando eu, em minha amnésia temporária, tentava me lembrar o que ele havia dito para registrar num caderninho.

“A mamãe tá desenhando a hélice do helicóptelo. HE-LI-CÓP-TE-LO.” Falando pausadamente a palavra à medida que eu escrevia (não desenhava) o que ele havia dito antes.

“O foguete não vai subir. Ele é de tijolo”. Referindo-se ao foguete de legos construído por ele e lembrando-se da casa de tijolo da história dos Três Porquinhos.

“Aqui é o lugar ideal pro João”. Dentro do dragão de madeira de uma das Livrarias Cultura de Brasília, em pleno dia de semana, levado pelo avô. Todas as últimas declarações aos 2 anos e 4 meses.

“Essa é uma lua velha. Não é a lua nova”. Olhando para a lua cheia, aos 2 anos e seis meses.

“Você parece a Cinderela”. Para a mãe, olhando para seu vestido de seda rodado, durante o ano novo. “Você também parece a Cinderela”.  Para a avó, logo em seguida, olhando seu vestido florido comprido. Aos 2 anos e oito meses, agora falando todos os “erres”.

“Esse não é um avião. Essa é só a massinha”, respondendo à mãe que mostrava o avião que fez pra ele de massinha de modelar. Aos 2 anos e 2 anos e oito meses.

“Eu quero nascer do ovo”, na exposição de dinossauros, olhando para o ovo do qual ”nascia” um dos dinos da exposição. Em viagem a Buenos Aires, aos 2 anos e 8 meses.

“Eles tão conversando”, olhando para dois caminhões similares estacionados um em frente ao outro com as cabines viradas uma para a outra, em uma quadra de Brasília. Aos dois anos e 9 meses.

“Esse  Planeta Terra é igual àquele”, olhando para o Globo Terrestre que tem em casa e o comparando à imagem da Terra que aparece no Jornal Nacional no quadro sobre a previsão do tempo.

“Mamãe, me diga uma coisa: seu eu colocar a mão na boca, o vírus vai destruir o meu dente?, aos 2 anos e 11 meses, gripado, para a mãe que lhe havia alertado para tomar cuidado com o vírus da gripe, misturando o vírus com o perigo da cárie.

Compartilhe:
  • Print
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • LinkedIn
  • Live
  • MySpace
  • RSS
  • Twitter

22 Comentários

  1. Mariana querida: Você sabe que adoro crianças. Sempre anotei as expressões dos meus filhos, sobrinhos e netos e lembrei que um dia estávamos à noite na frente do Mosteiro de São Bento em Olinda-PE: Você que é minha sobrinha e afilhada, sua Mana Joana, seus primos Adriana e Tota (meus filhos) quando tinham entre 4 e 7 anos. Todos falavam ao mesmo tempo e Adriana pediu para ficarem calados falando assim: “Vamos ficar calados. Vamos escutar o silêncio.”
    No momento anotei a data e o local. Acho que colocar estes dados é muito importante pois o tempo voa quando a vida é boa e a gente fica sem lembrar a idades dos nossos filhos e suas expressões geniais.
    Parabéns pelo blog e mais ainda pelo João.
    Beijos de sua Madrinha que te ama Miriam.

    • Nossa, tia, não me lembrava deste
      episódio no mosteiro de São Bento,
      muito legal mesmo! Pois é, vou tentar
      continuar registrando algumas falas do
      João aqui sempre que der. Um beijão
      e obrigada pela leitura. Mariana.

  2. Meus filhos adoram o dragao da Livraria Cultura também! É um dos nossos lugares preferidos em Brasília, principalmente em dia de chuva! Que saudade!
    É muito legal o que eles dizem, ne? Curta bastante!

  3. Puxou o pai

  4. Primoca,
    Adorei as tirinhas de Joaozinho!!!
    Meu “priminho-sobrinho” eh muito sabidinho mesmo….
    Beijos,
    Suza

  5. Mariana e Mauro,

    João é muito inteligente e especial, muito abençoado e amado por todos. Adoramos o compartilhar destes momentos únicos.

    Bjs Ieda

  6. querida, não sou tia, madrinha.. mas adoro estas coisas.. criança é realmente tudo de bom! (adorei atenção dragão que o João vai cair.. e a que diz tudo: é Beethoven!)
    Beijos

  7. Ah, quanta distancia tecnologica do tempo de sua avo, que tinha um caderninho somente para anotar as “tiradas engracadas” dos filhos (aqui nesse computer dos States nao tenho acento nas palavras). Fez isso pra Mana e Pingo. Depois nao teve mais tempo… E o caderno se perdeu.
    Adorei ler as de Joao.
    beijo da tia

    • Tia Tereza, a distância não é tão grande assim: eu também anoto antes num caderninho, pra depois passar pra cá. Aliás, estou devendo outras três que estão anotadas lá em casa. Pois é, copiei minha amada avó sem saber… Que pena que se perdeu o caderno dela, queria ver as tiradas da minha mãe! E tb de Tio Plínio, principalmente agora neste momento doloroso!

      Obrigada Ieda e Roberta pela leitura e por acompanharem sempre os passos do nosso João!

  8. Queridas Dri, Pati, tia Zildinha, Gláucia e também Renata Boldrini, que mandou email, muito obrigada por apreciarem as tiradinhas do nosso querido João. Sei o quanto todas vocês torceram pelo desenvolvimento do nosso menino e vocês merecem muuuito se divertir com as conclusões dele! Beijos grandes, Mariana.

  9. “Atenção, João, que o dragão vai cair” e

    “Atenção, dragão, que o João vai cair”… hahaha. Adorei!

  10. zildinha andrade |

    ola Mariana achei maravilhoso ver a evoluçao do JOao,e de fato muito inteligente e com certeza o futuro dele sera brilhante.Um beijo Zildinha

  11. Fofo!!!!! Adorei todas as frases, principalmente a última, que revela o quão intelectual é este menino. Tem futuro, com certeza.

    bjs,
    Pati

    • Glaucia Benevides |

      Esse é “o cara”. E essas titias que viram nascer o João curtem igualmente todas essas “tiradas” para lá de inteligentes desse garoto.Ficamos felizes em compartilhar esses momentos. Adorei!!!!!

Deixe um comentário