O restaurante duas estrelas de Brasília

O restaurante duas estrelas de Brasília

Desde o fim do ano passado, Brasília possui um restaurante na seleta lista dos estabelecimentos reconhecidos com duas estrelas pelo Guia Quatro Rodas, que concede o número máximo de três estrelas para atestar excelência gastronômica aos restaurantes brasileiros.Trata-se do Aquavit, que fica em uma moderna casa do Setor de Mansões do Lago Norte e onde o simpático e talentoso chefe dinamarquês Simon Lau Cederholm transforma a mistura de receitas escandinavas e ingredientes bem brasileiros em deliciosos banquetes nas noites de quarta a sábado.

Quem freqüenta o Aquavit desde que se chegava a ele apenas por indicações de amigos não se espantou nem um pouco com estas estrelas do Guia Quatro Rodas (Edição atual, 2011), nem tampouco com os títulos de Chefe do ano recebido por Simon do Guia, além de Melhor restaurante de Brasília e Melhor restaurante do Centro-oeste. Na primeira vez que fomos à bela e aconchegante casa de Simon – com uma linda vista do Lago Paranoá e do centro iluminado da capital- ficamos extasiados com o festival de sabores novos que vão explodindo na boca à medida que os cinco pratos que perfazem o Menu degustação vão sendo servidos. Foi em 2007 (dois anos após a inauguração, em 2005) e fomos levados por um casal de amigos, Patrícia Andrade e Lula Costa Pinto, que, como nós, gosta de ir à caça de bons restaurantes e sabores diferentes pelo Brasil e, quando dá, pelo mundo afora. Lembro-me que pouco tempo antes havíamos conhecido o paulistano Dom, do chefe Alex Atala, considerado na época o melhor restaurante do País. Gostamos da comida, também contemporânea e marcada pela utilização de ingredientes brasileiros tradicionais, até então normalmente esnobados pela alta culinária nacional. Mas a do Aquavit era superior. Era mais original, era mais surpreendente, concordamos eu e meu marido.

Ao longo destes anos, e principalmente nos últimos dois em que nos tornamos clientes fiéis, fomos vendo o escondido e exclusivo Aquavit- mais freqüentado por altos funcionários do Poder Público e do Itamaraty do que pela tradicional elite do Lago Sul- ser aos poucos reconhecido. Se naquela época os jurados da Vejinha Brasília sequer o citavam, na edição de 2008 elegeram Simon chefe revelação e em 2009 e 2010 o escolheram, consecutivamente, como melhor chefe da cidade. Simon trilhou um longo caminho antes de chegar ao topo das culinárias brasiliense e brasileira. Trabalhou em diversos restaurantes da Dinamarca enquanto cursava a faculdade de arquitetura e viu nascer a nova gastronomia de seu País que tem hoje como expoente o Noma, considerado o melhor restaurante do mundo.

Quem vai ao Aquavit, conhece estes dois lados de Simon: além do chefe de cozinha, o arquiteto. Foi ele próprio quem projetou a bela casa branca com pé direito alto e enormes vidraças que serve de sede ao Aquavit e também de residência para ele. Além de uma bela piscina onde os clientes do restaurante passeiam durante o jantar de Ano Novo, há também uma horta, de onde o chef e seus assistentes tiram raiz-forte, salsão, alfavaca, dill, pimenta e o delicioso jambu, planta de origem amazônica que anestesia a boca. Entre os ingredientes brasileiros muito usados por Simon estão ainda coco, manga, milho, tapioca, tacacá… Que ele combina magistralmente a cada cardápio mensal fixo com ostras, sopa de tartaruga, fois gras, vieiras, lagostins,camarões, salmão, carne de boi e diversas carnes de caça. Quando não os traz de suas viagens anuais a sua terra natal, Simon faz questão de ir à Feira do Guará e do Paranoá e a diversos pequenos produtores nos arreadores de Brasília para escolhê-los pessoalmente.

Provamos há alguns dias o cardápio atual que vai até este sábado, 12 de março. Mais uma vez, delicioso. Ah, o simpático Simon e sua valorosa equipe oferecem vinhos para serem harmonizados com cada prato. Pode-se optar pela dose normal, pela dose menor “para motoristas” ou ainda por levar seu próprio vinho e pagar a rolha. Eu recomendo fortemente o menu harmonizado com os vinhos. A seguir o cardápio atual e minhas considerações:

Lagostim com raspa e sorbet de coco verde, concassé de pimentão, espuma e farofa de coco

Pulenta Estate, Sauvignon Blanc, 2008, Argentina

 Um prato levíssimo, em que se sente de leve o gosto do coco no lagostim. A farofa estava fantástica e o sorbet de água de coco era deliciosamente neutro.  

Timbale de haddock com banana da terra, agrião e tucupi

Fritz Haag Trocken, Riesling, 2007, Alemanha

Simon escolhe o peixe que estiver mais fresco naquele dia. Então, no dia em que fomos, comemos pirarucu no lugar de haddock. O peixe foi defumado, bem à moda dinamarquesa, e seu sabor bem salgado era equilibrado pelo gosto doce da banana e pelo frescor do agrião. O timbale é uma espécie de pão bem fininho. O vinho riesling caiu perfeitamente com o prato.  

Foie gras grelhado com sorvete de sabugo de milho ao buerre noisette, servido com milho refogado e pamonha

Enrique Foster, Reserva Malbec, 2006, Argentina

Poucos chefes ousariam misturar fois gras com algo tão singelo como o milho! Pois a imaginação, a criatividade são alguns dos ingredientes principais da cozinha do chef Simon Lau. Esta versão do fois gras ficou soberba! O malbec, um vinho de uva com pouco tanino, só ressaltou os sabores.

Filet mignon com tutano defumado,

beterraba, salsinha, raiz forte e croutons

Medalla Real, Cabernet Sauvignon, 2007, Chile

Muito bom, especial. Tutano salgado contrastando com beterraba. Quase desnecessário dizer que os filés do Aquavit são super macios.

Sorvete de iogurte de leite de cabra servido com sopa gelada de seriguela e gelatina de umbu e pé de muleke

Delas Muscat Beumes de Venise, 2007, França 

Uma sobremesa daquelas que me deu água na boca desde que li o Menu. O sorvete não é muito doce, contrastando com o pé de moleque. Meu marido achou a sopa de seriguela muito amarga, eu gostei.

 

Café, Chá e Madeleines

Este é um dos momentos mais interessantes da noite. Nós costumamos nos mudar da varanda, onde geralmente ficam as mesas, para a sala de jantar com sofás e mesinhas de onde também se vê as luzes de Brasília. Ali, entre as paredes brancas e suas enormes telas coloridas, o chão e os móveis de madeira, tomamos o chá da hortelã tirada da horta e o café irresistível- mesmo às 2 da manhã- moído na hora. Quando o atencioso maître Vicente traz a conta até estranhamos porque normalmente já estamos nos sentindo em casa.

 

 

Serviço: Setor de Mansões Lago Norte
ML12 conjunto 1 casa 5 – Brasília/DF
Tel: 55 (61) 3369-2301, (61) 9167-0000

Quarta a sábado, somente à noite e com reserva

   

Preços do menu atual (até dia 12/03):

 

Menu completo:                   R$ 192,00

Menu de vinho completo:      R$ 130,00

Menu de 4 pratos:                R$ 163,00

Menu de vinho:                    R$ 120,00

Menu de 3 pratos:                R$ 140,00

Menu de vinho:                      R$ 105,00

Compartilhe:
  • Print
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • LinkedIn
  • Live
  • MySpace
  • RSS
  • Twitter

20 Comentários

  1. a minha próxima visita a Brasília vai ter de ter Aquavit no programa, como das ultimas duas vezes. Realmente é o melhor chef que ja conheci. É delicioso e inovador. Outro dia fomos aqui numa regiao de vinhos perto de casa, no Rehingau, no Adlerwirtschaft tambem um chef muito conhecido, mas nada comparado ao aquavit. Obrigada por nos ter feito conhecer esse restaurante, ele é inesquecível.

    • Dri, Dri, então quando formos de novo a Frankfurt e arredores vcs nos apresentam aos restaurantes legais daí, combinado? Nem que seja de dia, com as crianças a tiracolo!! Rs, rs. Depois do nascimento do Niklas, ainda tem espaço pra nós no ap ou é melhor ficarmos num hotelzinho? Beijão!

  2. Mari,
    só agora tive tempo de ler o texto sobre o Aquavit e pude constatar que está tão delicioso e primoroso quanto o melhor restaurante de Brasília e, claro, um dos melhores do Brasil. O Aquavit é maravilhoso, sofisticado, sem afetação, e sempre muito criativo. Jantar ali é um presente para os sentidos e também para a alma. Parabéns pelo belo texto e vamos combinar de voltar ao Aquavit — logo, de preferência!!! beijos, Pati.

    • Pati, querida, mto obrigada pelos
      elogios ao texto e pelo post no facebook,
      que fizeram as leituras aumentarem!
      Vamos ao Aquavit sim, quem sabe para o
      menu de abril, já que já fui no mês
      passado! Beijão! Ieda, não deixem de
      ir, é tão perto mesmo! Suza, quando
      vocês vierem, vamos com certeza!

  3. Primoca,
    Vc ja tinha me falado desse restaurante, mas agora vendo os pratos e o ambiente em fotos, fiquei com mais água na boca ainda. Quando for ai em Bsb, a gente combina de ir la. Beijos, Suza.

  4. Mariana

    Adorei sua dica e seu blog!
    Quando tiver uma data para comemorar, vou sugerir ao Beto esse restaurante! Parece magnífico!!!
    Parabéns pelo seu espaço!
    Muito bacana!

    Beijo,

    Renata

    • Renata, que bom que você gostou. Respondi antes ao seu outro comentário. Vão mesmo ao Aquavit, é perfeito para ocasiões especiais. Um beijo grande, Mariana.

  5. Este restaurante é muito perto de nossa casa. Vamos conhecer sem dúvida. Grata pela dica Bjs

  6. Querida,
    fiquei com água na boca pela descrição e beleza dos pratos. Se forem gostosos como são bonitos…
    Faltou você dizer mais do ambiente e sobretudo da música. Tem boa música?
    Não tenho nenhuma perspectiva de ir a Brasília tão cedo. Mas se for, na certa vou querer ir nesse restaurante.
    E que novo trabalho é esse seu agora?
    Beijos da tia

    • Tia, com certeza os pratos são mais
      gostosos do que bonitos, são soberbos!
      Quando você vier, com certeza iremos lá.
      Já levei alguns amigos que moram fora
      que gostaram tanto que quiseram voltar.
      Sim, a música é boa, uma seleção que vai
      de Chico Buarque a Piaf, passando por
      Cole Porter, enfim, música calma e boa.
      E o Simon vem em cada mesa explicar o
      cardápio e como eles prepararam cada
      prato. Beijão!

Deixe um comentário