Historietas e conclusões de um menino de três anos

Historietas e conclusões de um menino de três anos

Quando publiquei “Constatações de um menino de dois anos” aqui no blog, com as frases de meu filho nesta idade, minha tia Tereza me contou que minha avó já fazia a mesma coisa muito antes da internet: anotava em um caderninho especial as falas da minha mãe, a mais velha de cinco irmãos, e do meu tio Plinio, o segundo a nascer. Há pouco tempo, li uma entrevista em que Arnaldo Antunes dizia que fez uma música com os dizeres de seu filho de três anos. Registrar o que dizem nossos pequenos quando estão aprendendo a lidar com a fala é, portanto, algo a que não conseguimos resistir. Se aos dois anos, achávamos inteligentíssimas as conclusões a que tão jovens pessoas chegavam, aos três, continuamos impressionados não só com suas constatações sobre o mundo que começam a observar, mas também com a forma como lidam cada vez melhor com o vocabulário que vão adquirindo. Registro a seguir, as falas de meu filho João, aos 3 anos que, quem sabe, possam divertir também os que não o conhecem.

“Farofeira!”, João, olhando para a mãe que cantava , brincando: “Comprei um quilo de farinha pra fazer farofa, pra fazer farofa-fá”. Em 9-08-2011, aos 3 anos e 3 meses.

“A lua fica brilhando no céu escuro”, contemplando a lua quase cheia. Em 26-08-2011, aos 3 anos e 3 meses.

“Você só quer saber de avião”, para a mãe, que contava a história do avião, sendo que ele, sim, só queria saber de avião. Em 9-09-2011, aos 3 anos e 4 meses

“Onde tem helicópteros e onde tem terremoto”, quando a mãe mostrava imagens de um avião em Nova Iorque, na época do terremoto que atingiu a cidade. Em 9-09-2011, aos 3 anos e 4 meses.

“Vê se pode, mamãe?”, imitando algo que a mãe falou em outro momento.

“Não tem ninguém nesse avião. Só os macaquinhos”, olhando para o avião de plástico de um livrinho e percebendo que só os macacos eram fixos. Os outros bichos só apareciam por trás das janelas, não estando verdadeiramente no avião.

“Você resgatou?”, sobre o avião dele que estava na cama da mãe, que o trouxe para ele. As três mais ou menos aos 3 anos e 4 meses.

“Eu nunca comi sorvete moído assim. Eu tomaria. Eu tomaria hoje”. Olhando a foto e desejando o sorvete com várias bolas e biscoito moído entre cada uma delas. Em 20-10-2011, aos 3 anos e 5 meses.

“É a porta giratória”. Girando o guarda-chuva de Panda que ganhou dos pais e se lembrando da hora em que Clark Kent vira Superman em “Superman, o filme”, de 1978, que assistira semanas antes em DVD.

“É a do Superman”, identificando a trilha sonora de “Superman, o filme”, de um CD com as melhores trilhas do mestre John Williams, respondendo à mãe, que tinha dificuldade de diferenciá-la da de “Caçadores da Arca Perdida”. As duas são bastante parecidas. Aos 3 anos e 8 meses.

“Tudo que a gente entende, a gente fala, sabia?”. Ensinando a mãe. Em 19-10-2011. Aos 3 anos e 5 meses.

De novo, as fantásticas máquinas voadoras
“O avião chegou. Ele está encantado pelo castelo”. Em 25-10-2011, aos 3 anos e cinco meses, humanizando um de seus queridos aviões feitos de Lego.

“Esse avião é do universo, não é da TAM. Ele tem uma asa poderosa, sabia?”, ainda pensando em suas incríveis máquinas voadoras. Idem.

“E depois o avião do universo vai decolar. Olha as turbinas dele”, mostrando seu vocabulário relativo a aviões. Idem.

“O helicóptero é assim: ele tem a hélice que gira assim e o motor, que faz voar”. Idem.

“Esse é o avião da TAP que você vai fazer? Eu vou ensinar o avião da TAP”, pegando as peças verdes e vermelhas do Lego da mão da mãe. “Aí você tem que aprender a fazer o avião, sabia? O seu avião já tá terminado”, fazendo ele mesmo o avião.

“Lá tinha tantos aviões! O Concorde você não consegue ver. Levanta, venha ver!”, variando as marcas das máquinas.

“É a base da biruta pra ela se equilibrar”, terminando de construir uma biruta de aeroporto com legos. As três últimas falas aos três anos e cinco meses.

“Sabia que os aviões mais novos são os que têm suportes nas duas asas?”, demonstrando cada vez mais especialização na área aeronáutica, sua preferida. Em 8-11-11, aos 3 anos e meio.

Contando histórias
“Era uma noite chuvosa… Uhhh! O gato caiu láaa embaixo e viu um fantasma. (…) E o lobo mordeu o gato”. Contando história de terror na véspera do Halloween, em parte inspirada no programete do Discovery Kids visto dias antes. Em 30-10-11, aos 3 anos e cinco meses.

“Eu sabo dirigir avião, nave e navio”. “O que é mais difícil?”, pergunta a mãe. “O navio. O navio é o Titanic. Ele bateu num iceberg e afundou. Aí os homens consertaram ele. E ele voltou”. Em 11-01-2012, aos 3 anos e 8 meses, lembrando-se da exposição dos objetos do Titanic que visitou.

“O cachorro virou um bicho sanitário que fala?”, referindo-se a si mesmo e trocando de personagem na brincadeira pelo que ele próprio criou: o bicho sanitário. Em 8-11-11, aos 3 anos e meio.

“Vou tirar porque tá muito adolescente”, se referindo ao próprio boné. Em 9-11-11, idem.

No almoço
“Eu passei no meio do vegetal. Você sabia que esse é o vegetal, sabia?”, apontando para um arbusto na varanda do restaurante em que almoçávamos. Em 2-11-11, idem.

“Eu se preparei pra comer o doce. Você viu? Eu fui naquela porta…”, se preparando para o momento especial de comer um petit gateau com sorvete só seu de sobremesa. Idem.

“Que gostoso esse recheio!”, elogiando o realmente especial petit gateau de chocolate amargo do Gero de Brasília. Idem.

“Pronto, você já está produzida”. Para a mãe, no dia do natal, quando ela terminou de colocar biquini e short. Em 25-12-11, aos 3 anos e 7 meses.

Na casa de vovó e vovô
“Eles são violentos”, sobre os filhotes de cachorros que a avó comprou para os netos e, aos quatro meses, gostam de pular neles, quase derrubando os donos. Em dezembro de 2011, idem.

“Eu coloquei água com xixi aqui”, de dentro da banheira onde tomava banho e fizera xixi, referindo-se a um frasco de creme da avó. “Mas, João, este creme é caro”, responde a mãe. “Mas tem muitos cremes ali”, apontando para a grande coleção de cremes da vaidosa avó materna.
Idem.

Sobre os astros
“Sabia que a lua é um satélite?”
Em 16-01-12, aos 3 anos e oito meses, demonstrando os recém-adquiridos conhecimentos sobre o espaço.

“Você viu que tem corais coloridos na lua?”, desenhando a lua e inventando. Em 21-01-12, aos 3 anos e oito meses.

“Olha um meteoro!”, desenhando e se lembrando do filme “Dinossauros”, que mostra a extinção dos bichos da Terra. Idem.

“Me dá a canetinha verde. Deixa eu fazer o Planeta Krypton”, depois de desenhar Marte e a Lua, achando que o Planeta natal do Superman realmente existe. Idem.

“Você se lembra do livro que não tinha nada? Depois veio a explosão e ‘bang!’”. “”Foi o Big Bang”, responde a mãe. “Não, não tinha o Big Bang ainda!”, referindo-se ao relógio londrino. “Quero dizer a explosão”, responde a mãe. “Sim, aí teve a explosão. Depois vieram os dinossauros. Aí caiu um meteoro e eles ficaram assim (mostra os dinos deitados). Aí depois vieram os homens. E acabou”. Em 22-01-12, aos 3 anos e oito meses, contando a história do universo e da vida na terra que ouvira e vira em um livro meses antes.

Mais recentes:
“Esse é grande”. Come um pedaço do biscoito. “Agora é médio”. Come mais um pedaço. “E agora é pequeno”. Aos 3 anos e oito meses, mostrando noções de tamanho.

“Bota a presidente Dilma ali”. Em 25/04/12, aos 3 anos e 11 meses, mandando a mãe desenhar a presidente dentro do balão com o formato da bandeira do Brasil que ele havia desenhado antes. O balão que ele viu na Esplanada dos Ministérios no dia 7 de setembro anterior.

“Olha, ele tá sobrevoando o México. Posso fazer um cacto?”. No dia seguinte, na hora em que desenhava um avião, lembrando-se das fotos dos pais no México, onde havia muitos cactos.

 

 

Compartilhe:
  • Print
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • LinkedIn
  • Live
  • MySpace
  • RSS
  • Twitter

26 Comentários

  1. Só agora li as hitorietas de Joãozinho,achei muito legal.Adorei.É uma pena que as meninas ainda não escreveram nada doa filhotes. Mas nunca é tarde não é!
    Beijos da tia.

  2. Maravilhoso!!! Esses sábios pequenos são incríveis. Parabéns!!!
    Beijos

  3. Tenho sempre lido seus escritos e me emocionam muito.
    Nossa, como o João está grande! E falante!
    Também adorei a idéia de escrever as falas e vou recomendar a minha nora que faça isso também. Lucas está com dois anos e disparou a repetir um montão de coisas. E a criar também.
    Beijos, Mariana.

    • Que bom que você tem lido, Beth. Sim, João está beem grande! Não deixe de dizer a sua nora para anotar mesmo. Vai ser legal pra relembrar daqui a alguns anos! Um beijo grande, Mariana.

  4. Adorei as constatações do meu querido João. Muito bom isso de ir escrevendo…… Eu nunca escrevo as de Gabi e Pedro e assim vou me esquecendo de tudo…… Com uma memória boa como a minha….
    Beijos pro meu ” priminho sobrinho” que esta tão sabido e lindo!!

  5. Mariana, seu filho é uma graça. Muito fofo. A do bicho sanitário é ótima. Parabéns pela educação e dedicação ao seu pimpolho. Bjs

  6. Adorei ler as frases de João. O fascinio por aviões, bacana. Precisa continuar a sequência e divulgar as frases dos 4 anos. Estou em Sampa e hoje almoço com Joanna e Anita, que já vi vetida de princisa e está linda! Pena que não tenho viagens a Brasilia como tenho a S.Paulo. Beijão da tia

    • Pena mesmo, né tia? Pôxa, podia vir pelo menos uma vez! Vamos ver também quando poderemos ir a Recife, quem sabe no meio do ano? Como é o tempo em julho? Viu que você foi citada neste post, né? Por coincidência, foi uma das primeiras a lê-lo. Beijos enormes pra você e pra Anita e Joanna.

Deixe um comentário